Prefeitura de Capão Bonito prossegue com a compra de terreno de R$ 2,3 milhões

Imóvel havia sido anunciado à venda pela imobiliária Confiança, que está registrada em nome do sobrinho do Secretário de Governo, José Saito

A Prefeitura Municipal de Capão Bonito deu mais um passo importante para a efetivação da compra do terreno avaliado em R$ 2,3 milhões e localizado entre as ruas Gustavo Sampaio e Bernardino de Campos, no centro da cidade.

A edição do dia 08 de outubro de 2021 da Imprensa Oficial do Município traz um decreto do prefeito Julio Fernando tornando a área como de “utilidade pública”. Segundo o documento, a Prefeitura irá construir uma nova unidade escolar para abrigar a escola Jacyra Landim Stori.

Coincidentemente, o mesmo imóvel foi objeto de anúncio da imobiliária Confiança, que hoje está registrada em nome do sobrinho do Secretário de Governo, José Saito, Mário Cesar Machado Junior. Os administradores da página da imobiliária no Facebook tentaram excluir o anúncio definitivamente das plataformas on-line, porém, através de uma busca pelo Google, é possível encontrar a propaganda para a venda do terreno.

Outra coincidência talvez seja a localização da imobiliária, que fica ao lado do escritório de advocacia do atual prefeito Julio Fernando, e no imóvel que pertence ao próprio chefe do Executivo, conforme declaração de bens divulgada pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Além da ligação direta da imobiliária com o alto escalão do Governo Municipal, funcionários da Secretaria Municipal da Educação comentam que o terreno seria comprado com recursos do Fundeb e numa região onde há escolas com espaços ociosos e necessitando de reformas e ampliação como a Ileny de Souza Galvão, na Vila Maria, e a Faustino Cesarino Barreto, no Jardim Europa.

Servidores da Municipalidade também afirmaram que a compra da nova área é desnecessária, tendo em vista que a Prefeitura já tem um grande terreno entre a rua Domingos Lírio e Walter Negrão, no acesso à CDHU da Vila Maria. “Num raio de apenas quatro ou cinco quarteirões, a Prefeitura já tem um terreno grande e que poderia servir para essa finalidade”, comentou o servidor que pediu para não ter seu nome revelado.

Escola Sumie Baldissera

Outro ponto controverso na compra do terreno é a lentidão para o início das obras de adequação na escola Sumie Baldissera, que de acordo com o laudo técnico possui problemas de ordem estrutural.

O projeto de fundação da construção da escola foi conduzido na gestão do atual prefeito Julio Fernando em 2015. Conforme a perícia, os problemas da Sumie Baldissera estão no sistema de fundação “subdimensionada”, e que não suporta toda a estrutura da unidade, com isso, surgiu trincas e fissuras em várias repartições.

A escola acabou sendo interditada e está funcionando num espaço alugado da antiga escola particular do Vale Encantado, no Terras do Embiruçu. A Prefeitura está gastando aproximadamente R$ 180 mil por ano para abrigar os alunos da Sumie Baldissera nesse ambiente alugado. “Já foram 10 meses e a Prefeitura já poderia ter reformado a parte estrutural da escola Sumie Baldissera e ter alugado o espaço para os alunos do Jacyra até que se concluísse a sua reforma”, disse uma das educadoras consultadas pelo jornal O Expresso.

Veja também